Rio de Janeiro recebe quinta edição da Universidade da Hemofilia e oferece capacitação

Iniciativa global reúne 80 médicos da América Latina e Canadá para discutir as abordagens mais recentes da medicina, que oferecem maior qualidade de vida aos pacientes hemofílicos

Nos próximos dias 20 e 21 de outubro acontece a segunda edição brasileira da Universidade da Hemofilia, no Rio de Janeiro. O evento reunirá cerca de 80 médicos da América Latina e do Canadá para atualização científica – sobretudo sobre a importância da profilaxia primária (tratamento preventivo) e seus benefícios – e capacitação àqueles que lidam diretamente com pacientes e seus familiares. A iniciativa é promovida pela Baxter Hospitalar e conta com a chancela da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio) e apoio da Federação Brasileira de Hemofilia (FBH) e do HEMORIO.

A Universidade da Hemofilia procura contribuir para o aumento do número de profissionais na área. “Com o anúncio do Ministério da Saúde (MS), afirmando que a partir de dezembro o Sistema Único de Saúde (SUS) oferecerá o tratamento preventivo para hemofílicos, a atualização e a capacitação aos profissionais da saúde se tornam imprescindíveis. Ainda hoje, há muito desnível no tratamento oferecido por um hemocentro comparado ao outro e é necessário que haja o comprometimento dos médicos que participarão deste evento para que, ao retornarem, dividam o conhecimento. Nós queremos que todos os 11 mil pacientes hemofílicos do Brasil tenham o mesmo tratamento. É uma questão de direitos humanos”, justifica Tânia Pietrobelli, presidente da FBH. A hemofilia é uma deficiência crônica causada por um defeito na coagulação do sangue – ausência de uma proteína que o organismo produz para conter hemorragias –, que provoca sangramentos repetitivos comprometendo as articulações e os músculos, causando dores crônicas e deformidades que prejudicam a mobilidade e podem levar à invalidez.

De acordo com dados do Ministério da Saúde, a doença atinge 11 mil brasileiros, sendo o país da América Latina que possui o maior número de pacientes. . “A Universidade da Hemofilia é importante para todos os centros de tratamento de hemofilia do país, pois o seu objetivo é levar conhecimento sobre a doença e incentivar novos médicos nesta especialidade, apresentando as pesquisas e os tratamentos mais recentes. Além disso, o evento ressalta a importância da equipe médica multidisciplinar e da educação dos familiares e amigos para o sucesso do tratamento”, explica a Dra. Mônica Hermida Cerqueira, médica hematologista, com doutorado em clínica médica na área de Hematologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e coordenadora do grupo de hemostasia do HEMORIO.

Durante os dois dias de evento, os médicos receberão uma visão geral da especialidade, como a importância do diagnóstico precoce, as modalidades de tratamento (sobretudo o profilático), o desenvolvimento de inibidores, os novos medicamentos recombinantes feitos por engenharia genética, as iniciativas para reabilitação e os aspectos psicossociais da doença, dentre outros temas de atualização. Além disso, terão a oportunidade de discutir os desafios de cada serviço e os encaminhamentos necessários para que os pacientes de todo o país tenham acesso ao melhor tratamento possível.

A Universidade de Hemofilia é uma iniciativa global da Baxter e está em sua quinta edição. Ao todo, cerca 350 médicos, foram capacitados. As edições anteriores aconteceram na Argentina (2007), Brasil (São Paulo, 2008), México (2009) e Colômbia (2010).

  • Serviço:
    Universidade da Hemofilia
    Data: 20 (das 8h30 às 17h20) e 21 (das 8h30 às 16h25) de outubro
    Local: Hotel Intercontinental
    Endereço: Av. Prefeito Mendes de Morais, 222 – Gávea – Rio de Janeiro (RJ)
    Realização: Baxter

Sobre a hemofilia

A hemofilia é uma alteração da coagulação do sangue de origem genética e hereditária provocada por uma deficiência na quantidade ou qualidade do fator de coagulação, por isso provoca sangramentos e hemorragias que comprometem as juntas e os músculos, causando dores, prejudicando a mobilidade e podendo causar invalidez. O tratamento da hemofilia consiste na reposição dos fatores de coagulação do sangue. O tratamento por demanda faz a reposição apenas durante as crises de sangramento. O preventivo é contínuo e se destina a prevenir as hemorragias. O tratamento das 11 mil pessoas com hemofilia cadastradas no Ministério da Saúde é totalmente custeado pelo SUS.

Sobre a Federação Brasileira de Hemofilia (FBH)

Fundada em 1976, a Federação Brasileira de Hemofilia tem como missão advogar pelo tratamento e qualidade de vida de todas as pessoas com Hemofilia, von Willebrand e outras coagulopatias hereditárias no Brasil. Com 24 associações de pacientes filiadas, atua junto ao governo e à comunidade científica por uma melhor política de tratamento. A FBH é filiada a Federação Mundial de Hemofilia que oferece suporte às organizações mundiais para a conquista de tratamento para todos. Site: www.hemofiliabrasil.org.br